Policiais civis e penais que atuam em penitenciárias param atividades por 48 horas

Policiais civis e penais que atuam em penitenciárias param atividades por 48 horas Foto - Wilker Porto / Agora Sudoeste

A partir desta segunda feira (27), policiais civis e penais, os quais atuam em penitenciárias, fazem uma paralisação de 48 horas. De acordo com informações do Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb), a decisão da paralisação ocorreu após assembleia unificada dos policiais civis e penais baianos, na última terça-feira (21), no auditório do Sindicato Servidores do Poder Judiciário do Estado da Bahia (Sinpojud), em Salvador. Segundo informações do G1, a categoria protesta contra PEC 159/2020, que modifica as regras da Previdência Social da Bahia e pede ainda que seja garantido 100% da pensão por morte. A presidência do Sinspeb observa que o policial civil e o penal que estão no fim da carreira recebem um salário em torno de R$ 6 mil a R$ 7 mil, se for aplicada a média que contém na PEC, o salário será reduzido para cerca de R$ 4,5 mil do servidor que está no fim da carreira. Com esse efetivo estabelecido pela Lei de Greve, os detentos só terão acesso às necessidades básicas. Já as visitas dos familiares, assistência educacional, jurídica, laboral e religiosa serão suspensas. Nas unidades prisionais da Bahia, o sindicato informou que com a paralisação de 48 horas, apenas 30% dos policiais penais estão em atividades.