Brumado: Juiz utiliza Tribuna Livre e fala sobre a construção do Centro de Detenção Provisória

Brumado: Juiz utiliza Tribuna Livre e fala sobre a construção do Centro de Detenção Provisória Foto: Janine Andrade | Brumado Agora

Na noite dessa segunda-feira (26), o Juiz Genivaldo Guimarães fez uso da Tribuna Livre da Câmara de Vereadores de Brumado e discorreu sobre um assunto que tem dividido opiniões: a custódia de presos e a construção de um Centro de Detenção Provisória no município. Para o magistrado, a cidade perdeu há algum tempo a oportunidade de ter uma unidade prisional e não pode deixar que isto ocorra novamente, apresentando uma série de fatores. “Precisamos ter em nossa cidade um local onde possamos custodiar os presos por medida preventiva ou cautelar, e aqueles que têm determinado, após julgamento, a prisão permanente até que sejam transferidos para presídios. Além disso, temos uma série de questões importantes, pois um centro de detenção aqui instalado: gerará empregos, terá aumento de efetivo de policiais, as mulheres terão local adequado para serem custodiadas, bem como os adolescentes, pois atualmente o que ocorre é o seguinte: para custodiar mulheres e adolescentes, uma cela já ocupada por presos é desocupada e os que ali estavam vão para celas já ocupadas, o que gera um transtorno enorme dentro da delegacia”, explicou. 

Na noite dessa segunda-feira (26), o Juiz Genivaldo Guimarães fez uso da Tribuna Livre da Câmara de Vereadores de Brumado e discorreu sobre um assunto que tem dividido opiniões: a custódia de presos e a construção de um Centro de Detenção Provisória no município.

 

Para o magistrado, a cidade perdeu há algum tempo a oportunidade de ter uma unidade prisional e não pode deixar que isto ocorra novamente, apresentando uma série de fatores. “Precisamos ter em nossa cidade um local onde possamos custodiar os presos por medida preventiva ou cautelar, e aqueles que têm determinado, após julgamento, a prisão permanente até que sejam transferidos para presídios. Além disso, temos uma série de questões importantes, pois um centro de detenção aqui instalado: gerará empregos, terá aumento de efetivo de policiais, as mulheres terão local adequado para serem custodiadas, bem como os adolescentes, pois atualmente o que ocorre é o seguinte: para custodiar mulheres e adolescentes, uma cela já ocupada por presos é desocupada e os que ali estavam vão para celas já ocupadas, o que gera um transtorno enorme dentro da delegacia”, explicou.

 

O juiz ainda frisou que o local onde os presos atualmente estão não é apropriado e lá estão sob o constante controle da Polícia Civil que, ao invés de estar custodiando presos (que não é a sua atribuição e sim de agentes penitenciários lotados em uma unidade prisional específica), deveria estar realizado o trabalho de investigação e demais atribuições do setor.

 

Quanto às reivindicações sobre o local de instalação do CDP, o magistrado destacou que é necessário que este impasse seja resolvido. “Precisamos resolver esta questão, temos que tolerar determinados encontros. Um exemplo: uma ferrovia é construída em determinado local. Com o tempo, as pessoas que ali estão instaladas passam a se sentir incomodadas com o barulho gerado pelos trens, mas a construção é necessária tendo em vista o desenvolvimento daquela região, ou seja, a ferrovia não será retirada daquela localidade. Um Presídio ou Centro de Detenção podem ser incômodo para alguns, mas a solução de outros. Quanto a segurança da localidade de construção, as pessoas devem entender que ali haverá um maior fluxo de policiais, inclusive, no trajeto da unidade para o centro da cidade, já que muitos se preocupam com “emboscadas” no trecho".

 

Guimarães disse ser favorável a  construção de um Centro de Detenção na cidade, comentando ainda uma conversa que teve com o Subsecretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, o advogado Carlos Eduardo Sodré, o qual afirmou que a unidade será instalada. “Fiquei contente e muito esperançoso com a notícia e espero que seja de fato realizado. Serão 20 milhões em investimentos, 529 vagas para presos. Sei que a cidade tem outras prioridades, mas precisamos de local para custodiar os presos,  em algum lugar do município esta unidade deve ser construída, Brumado não pode perder esta chance”, concluiu.