BUSCA PELA CATEGORIA "Brasil"


Câmara pode votar nesta quarta projeto da Escola sem Partido

Câmara pode votar nesta quarta projeto da Escola sem Partido Foto - Wilker Porto / Agora Sudoeste

A Câmara dos Deputados pode votar nesta quarta-feira (4) a proposta que cria o programa Escola sem Partido. O projeto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para afastar a possibilidade de oferta de disciplinas com conteúdo de "gênero" ou "orientação sexual" em escolas de todo o país. Pelo texto do relator, deputado Flavinho (PSC-SP), cada sala de aula terá um cartaz com seis deveres do professor, entre os quais está a proibição de usar sua posição para cooptar alunos para qualquer corrente política, ideológica ou partidária. Além disso, o professor não poderá incitar os alunos a participar de manifestações e deverá indicar as principais teorias sobre questões políticas, socioculturais e econômicas.


Brasil segura o ataque mexicano e vence por 2 a 0

Brasil segura o ataque mexicano e vence por 2 a 0 Foto - Divulgação / Fifa

A seleção brasileira encontrou um adversário difícil e ousado, mas venceu o México por 2 a 0 e avançou às quartas de final da Copa do Mundo. Neymar abriu o placar e Firmino, já nos minutos finais, garantiu a classificação. O Brasil espera o vencedor de Bélgica e Japão, que se enfrentam ainda hoje, em Rostov. Foi a partida mais dura da seleção brasileira até agora. O México não esperou o Brasil; começou o jogo pressionando, marcando o Brasil na frente e dificultando a saída de bola. O sistema defensivo brasileiro, no entanto, fez uma partida segura e, apesar dos 30 minutos iniciais de pressão, a bola quase não chegou ao goleiro Alisson. A partida marcou ainda o despertar de Willian. O meio campista fazia uma Copa apagada até o final do primeiro tempo de hoje. Na segunda etapa, finalmente fez o que se esperava dele. Com jogadas em velocidade pela direita e cortando para o meio, Willian abriu a defesa mexicana e participou do primeiro gol, dando a assistência para Neymar abrir o placar.


Liminar autoriza porte de arma para todas as guardas municipais

Liminar autoriza porte de arma para todas as guardas municipais Foto - Wilker Porto / Agora Sudoeste

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu medida cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5948 para autorizar suspender os efeitos de trecho da Lei 10.826/2003 (Estatuto do Desarmamento) que proíbe o porte de arma para integrantes das guardas municipais de munícipios com menos de 50 mil habitantes e permite o porte nos municípios que têm entre 50 mil e 500 mil habitantes apenas quando em serviço. Com base nos princípios da isonomia e da razoabilidade, o relator disse que é preciso conceder idêntica possibilidade de porte de arma a todos os integrantes das guardas civis, em face da efetiva participação na segurança pública e na existência de similitude nos índices de mortes violentas nos diversos municípios. A ação foi ajuizada pelo partido Democratas, que sustenta que a norma dispensou tratamento desigual e discriminatório entre os diversos municípios da Federação, em evidente afronta aos princípios constitucionais da igualdade e da autonomia municipal. Em análise preliminar da matéria, o ministro Alexandre de Moraes verificou que os dispositivos questionados estabelecem distinção de tratamento que não se mostra razoável, desrespeitando os princípios da igualdade e da eficiência. Ele lembrou que, no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 846854, o STF reconheceu que as guardas municipais executam atividade de segurança pública, essencial ao atendimento de necessidades inadiáveis da comunidade. “Atualmente não há nenhuma dúvida judicial ou legislativa da presença efetiva das guardas municipais no sistema de segurança pública do país”, afirmou.


Seleção Brasileira: números indicam evolução na Fase de Grupos

Seleção Brasileira: números indicam evolução na Fase de Grupos Foto - Lucas Figueiredo / CBF

A Seleção Brasileira se classificou para as oitavas de final em primeiro lugar no Grupo E da Copa do Mundo Rússia 2018, com 7 pontos somados. Na saída do Estádio Spartak, após a vitória sobre a Sérvia por 2 a 0, os jogadores brasileiros destacaram o crescimento do grupo no decorrer desta etapa inicial da competição. A palavra evolução foi usada algumas vezes pelos atletas para descrever o processo pelo qual o time comandado por Tite passou na fase de grupos. As estatísticas divulgadas pela FIFA justificam tal afirmativa. No primeiro confronto da etapa, no empate em 1 a 1 contra a Suíça, o Brasil finalizou 20 vezes, sendo 4 na direção da meta adversária, com um gol marcado por Philippe Coutinho. Na segunda partida, na vitória contra a Costa Rica por 2 a 0, a Seleção mostrou domínio total das ações e obrigou o goleiro Keylor Navas - grande estrela da Costa Rica - a fazer grandes defesas, e o seu time a abusar das estratégias para esfriar o jogo. A Amarelinha teve 66% de posse de bola, sendo 28% dela no terço de ataque. O time finalizou 23 vezes sendo nove no gol. Destas, duas foram bolas na rede. Gols de Philippe Coutinho e Neymar. O camisa 10, inclusive, é um retrato desta evolução brasileira. Em processo de recuperação do ritmo de jogo após a cirurgia no pé direito, Neymar foi um dos principais jogadores na última partida da fase de grupos, contra a Sérvia. O atacante deu uma assistência, finalizou sete vezes e acertou 85% dos passes. Foi efetivo e envolvente, e obteve êxito em 15 dos 19 dribles executados, de acordo com dados do Wyscout. Diante dos sérvios, o time de Tite teve menos posse de bola do que o adversário, mas teve o controle das ações tanto na defesa quanto no ataque. Finalizou 13 vezes, seis na meta e marcou dois gols (Paulinho e Thiago Silva). Abusou de utilizar do ponto forte do adversário: a bola aérea. Fez um gol dessa forma, após escanteio. Foram nove tiros de canto a favor do Brasil. Cinco para o adversário, que só conseguiu uma finalização ao gol de Alisson. Em números totais, a Seleção Brasileira finalizou ao gol 56 vezes na primeira fase, sendo 19 delas no alvo. A posse de bola média da equipe foi de 58,6%. O percentual indica um domínio mais produtivo das iniciativas de jogadas. Foram cinco gols marcados em 19 oportunidades reais. O Brasil teve 26 escanteios a seu favor. A Seleção ficou em média 24% de sua posse de bola no terço de ataque do campo.


Eleições 2018: TSE divulga limites de gastos de campanha e de contratação de pessoal

Eleições 2018: TSE divulga limites de gastos de campanha e de contratação de pessoal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) publicou nesta quinta-feira (28), em seu Portal na internet, os tetos de gastos de campanha eleitoral por cargo eletivo e os limites quantitativos para contratação de pessoal a serviço das campanhas nas Eleições 2018. Os tetos de gastos de campanha para os cargos de presidente da República, deputado federal e deputado estadual/distrital foram fixados em valores absolutos pela última reforma eleitoral promovida pela Lei nº 13.488, de 6 de outubro de 2017. Os maiores limites estão previstos para o cargo de presidente da República, sendo de R$ 70 milhões para o primeiro turno das eleições, com acréscimo de R$ 35 milhões na hipótese de realização de segundo turno. Nas campanhas para o cargo de deputado federal, foi fixado o teto de gastos de R$ 2,5 milhões. E, no caso dos candidatos a deputado estadual ou distrital, o valor máximo a ser gasto é de R$ 1 milhão. Já para os cargos de governador de Estado e do Distrito Federal e de senador da República, os limites de gastos vão variar de acordo com o eleitorado da respectiva unidade da Federação. Por exemplo, nos estados com até um milhão de eleitores, as campanhas para o governo estadual devem respeitar o teto de R$ 2,8 milhões. A campanha eleitoral de cada candidato deverá seguir legislação específica acerca dos limites quantitativos para a contratação direta ou terceirizada de pessoal para a prestação de serviços referentes a atividades de militância e mobilização de rua. Os quantitativos para as Eleições Gerais de 2018 foram calculados por unidade da Federação, em conformidade com a regra fixada pelo art. 100-A da Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições).  Os limites de gastos de campanha eleitoral e de contratação de pessoal para o pleito deste ano podem ser consultados no Portal do TSE.


Após atrito com agente penitenciário, ex-ministro Geddel Vieira Lima é levado para cela 'solitária' na Papuda

Após atrito com agente penitenciário, ex-ministro Geddel Vieira Lima é levado para cela 'solitária' na Papuda Foto - Wilker Porto / Agora Sudoeste

Desde setembro, ex-ministro Geddel Vieira Lima está em prisão preventiva, determinada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. Na noite desta quarta-feira (27), conforme informou a Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal (Sesipe), Geddel foi levado  para uma cela isolada no Complexo Penitenciário da Papuda, após ter desrespeitado um agente penitenciário durante uma revista pessoal. Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Distrito Federal, Leandro Allan, em entrevista a TV Globo, Geddel desobedeceu a uma ordem para fazer um procedimento de rotina. Ele não soube dizer qual teria sido a determinação. Em razão do episódio, informou o sindicalista, foi feita uma ocorrência administrativa, e o ex-ministro foi encaminhado imediatamente para uma cela, isolado dos outros nove detentos que dividiam o espaço com ele. O castigo pode durar até dez dias, mas o tempo em que Geddel ficará na chamada "solitária" dependerá de decisão da Vara de Execuções Penais. Segundo a subsecretaria, o procedimento de colocar o preso em cela isolada é adotado para todo detento que cometa falta disciplinar em estabelecimento prisional.

INFORME PUBLICITÁRIO


Estudantes têm até hoje para se inscrever no ProUni

Estudantes têm até hoje para se inscrever no ProUni

Terminam hoje (29) as inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni). As inscrições são feitas exclusivamente pela internet, na página do programa. O ProUni oferece bolsas de estudo em instituições privadas de ensino superior.  Ao todo, neste processo seletivo, serão ofertadas 174.289 vagas, sendo 68.884 bolsas integrais e 105.405 parciais, em 1.460 instituições. As bolsas são para o segundo semestre. Para se candidatar, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, ter alcançado no mínimo 450 pontos e ter tido nota superior a zero na redação. Além disso, só podem participar alunos brasileiros sem curso superior e que tenham feito o ensino médio completo na rede pública ou como bolsista integral na rede privada. Alunos que fizeram parte do ensino médio na rede pública e a outra parte na rede privada, na condição de bolsista, ou que sejam deficientes físicos ou professores da rede pública também podem solicitar uma bolsa. O candidato que quiser uma bolsa integral deve ter renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio. As bolsas parciais de 50% são destinadas aos alunos que têm renda familiar per capita de até três salários mínimos. Quem conseguir uma bolsa parcial e não tiver condições financeiras de arcar com a outra metade do valor da mensalidade, pode utilizar o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).


Pesquisa Ibope: Lula tem 33%, Bolsonaro, 15% e Marina, 7%

Pesquisa Ibope: Lula tem 33%, Bolsonaro, 15% e Marina, 7% Foto - Divulgação

Foi divulgada nesta quinta-feira (28), Pesquisa Ibope - registro BR-02265/2018 no Tribunal Superior Eleitoral -  com índices de intenção de voto para o primeiro turno da eleição presidencial de 2018. De acordo com o levantamento, no cenário com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva : Lula (PT): 33%  - Jair Bolsonaro (PSL);  15%; Marina Silva (Rede); 7% Ciro Gomes (PDT);  4% Geraldo Alckmin (PSDB); 4% Álvaro Dias (Podemos); 2% Manuela D'Ávila (PC do B);  1% Fernando Collor de Mello (PTC); 1% Flávio Rocha (PRB); 1% Levy Fidelix (PRTB); 1% João Goulart Filho. Branco/nulo: 22%;  Não sabe/não respondeu: 6%. A pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O instituto ouviu 2 mil eleitores em 128 municípios entre os dias 21 e 24 de junho.


Pré-candidatos estão proibidos de apresentar programa de rádio ou TV a partir de sábado (30/6)

Pré-candidatos estão proibidos de apresentar programa de rádio ou TV a partir de sábado (30/6) Foto - Wilker Porto / Agora Sudoeste

O Calendário Eleitoral 2018, baseado na Lei 9.504/97, proíbe, a partir deste sábado (30/6), a transmissão de programas televisivos ou de rádio apresentados ou comentados por pré-candidatos. A multa para as emissoras que não cumprirem a legislação eleitoral poderá variar de 20 mil a 100 mil Ufir (1 Ufir equivale a R$1,0641), podendo ser duplicada em caso de reincidência. Para o candidato, a punição poderá ser a cassação de seu registro de candidatura, ficando o mesmo impossibilitado de concorrer ao pleito. Além da proibição de programa apresentado ou comentado por pré-candidato, é vetado às emissoras usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de alguma forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação. Do mesmo modo, rádios e TVs estão proibidas de produzir ou veicular programa com esse efeito.


Lula recorre para que pedido de liberdade vá à 2ª Turma do STF

Lula recorre para que pedido de liberdade vá à 2ª Turma do STF Foto - Ricardo Stuckert

A defesa do Luiz Inácio Lula da Silva entrou na noite de ontem (27) com novo recurso, dessa vez uma reclamação constitucional, contra a decisão do ministro Edson Fachin que remeteu o mais recente pedido de liberdade do ex-presidente para julgamento do plenário da Corte. Os advogados de Lula argumentam que Fachin agiu de forma “arbitrária”, sem amparo em normas legais ou no regimento interno do Supremo Tribunal Federal (STF), ao remeter o caso ao plenário, numa manobra para evitar que o ex-presidente fosse solto pela Segunda Turma. Na peça, a defesa quer que a nova reclamação seja julgada por um dos outros ministros integrantes da Segunda Turma – Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. Os advogados pedem que seja concedida uma liminar (decisão provisória) dando liberdade a Lula enquanto o caso não é apreciado na Segunda Turma, e não no plenário.